Crash Lateral - verdades e mitos

|

Olá boa noite!


Mas uma vez nos encontramos para conversarmos sobre Carrocerias Automotivas.
Numa de minhas buscas pela Internet, me deparei com uma situação um tanto quanto complicada.
Um Blog de uma revista especializada em automóveis comentava sobre um acidente que havia acontecido nas proximidades de sua redação. Por uma questão de ética eu não vou citar o modelo, o fabricante, nem as situações em que ocorreram o acidente e nem mesmo a revista. Na semana que se sucedeu ao acidente, houve uma enxurrada de Posts naquele Blog, criticando o fabricante do veículo, o comportamento do carro num impacto lateral e tudo mais. Não quero aqui fazer o papel de advogado do diabo, mas eu percebi que muitos daqueles que fizeram as suas críticas, o fizeram com total desconhecimento de causa.
Primeiro é preciso esclarecer que atualmente não existe norma para proteção de ocupantes de um veículo em caso de impacto lateral, segundo o próprio site da ABNT (http://www.abnt.org.br/cb05/programa.html), a norma que institui ainda está em estudo e pelo jeito deve ser uma cópia da Européia ECE R95.

O que nos leva á seguinte questão, você sabe como é feito um Crashtest lateral? Num Crashtest lateral, é projetada uma barreira móvel deformavel de 1500 quilos à velocidade de 50 km/h contra a parte lateral do veículo que se encontra parado. A parte frontal da barra é revestida com material que pretende simular a parte da frente de um automóvel. O teste de colisão lateral pretende avaliar a probabilidade de lesões graves no peito de todos passageiros e do condutor. A avaliação lateral do veículo é baseada nas medidas de ferimento gravadas em dois manequins e no desempenho estrutural do veículo durante o impacto. As medidas de ferimento obtidas dos dois manequins, um no assento do motorista e o outro no assento traseiro atrás do motorista, são usadas para determinar a probabilidade que o motorista e/ou o passageiro teriam de sofrer ferimentos sérios às várias regiões do corpo. Os movimentos e os contatos das cabeças dos manequins durante o impacto são avaliados igualmente. Esta avaliação é mais importante para posições do assento sem air bag , pois supõem-se que deve-se impedir contatos prejudiciais. O desempenho estrutural é baseado nas medidas que indicam o quanto a coluna B invadiu o espaço interno do veículo.

Alguma intrusão no compartimento é inevitável em impactos laterais sérios, mas toda a intrusão que ocorrer deve ser uniforme horizontalmente e verticalmente e não deve comprometer seriamente o espaço do motorista ou do passageiro.

É importante comentar que se um veículo passou num crashtest lateral á 50 km/h, não significa de forma alguma que o comportamento do carro será o mesmo num crash real á 100 km/h ou 150 km/h. As forças envolvidas são outras. Enquanto que no Brasil ainda existe uma indefinição latente quanto á proteção lateral em veículos, nos paises europeus, América do Norte é uma exigência que os carros atendam á norma ECE R 95. E cada vez mais as montadoras vem desenvolvendo novos sistemas para melhorar mais o desempenho dos seus carros no quesito segurança.


Recentemente a Toyota aplicou o " Multi load pass Structure " para o seu novo sedan Camry. O conceito é aquele em que a força de impacto lateral é transmitida eficazmente à estrutura da Carroceria. As características do sistema são as seguintes. - Para a coluna B, assim como para o reforço do Teto é usado Aço de alta resistência à tração (590MPa), - A armação dos bancos dianteiros tem um tubo de aço (Diâmetro: 30mm) que trabalha em conjunto com a Coluna B e um “nó” localizado no túnel central. - As portas traseiras dispõem de uma barra e de uma “caixa” formada pelo seu revestimento que quando o impacto lateral acontece transmite a força de impacto para o banco do passageiro e conseqüentemente para a estrutura da Carroceria.
Os Europeus por sua vez estão testando agora um sistema de segurança novo para acidentes impacto lateral, que utiliza o radar de bordo e as câmeras para prever um acidente 230 milissegundos antes que aconteça. O computador ativa então uma barra que construa uma ligação sobre ambos os lados do carro para transferir a parte da energia do impacto de um lado ao outro. Os resultados são impressionantes, e poderia significar a diferença entre a vida e a morte.

Quando o sistema detecta um acidente, desdobra a barra da ponte em 70 milissegundos usando uma mola de alta potência, que esta sendo mantida por uma bobina. A bobina é feita de uma liga especial que recupere sua forma original imediatamente quando recebe um impulso elétrico, liberando a mola imediatamente antes do impacto. A estrutura resultante diminui a intrusão do outro veículo em de 80mm, assim como a diminui da velocidade e a violência do impacto

Os impactos laterais são quase impossíveis de evitar mesmo em velocidades muito baixas. São igualmente muito perigosos, não somente porque podem o matar diretamente, mas também porque é muito fácil sofrer dano de cérebro permanente das forças laterais envolvidas. O sistema pode evitar este, transferindo estas energias através da estrutura do carro.

Com certeza espero ter aguçado a sua curiosidade sobre impactos laterais. Caso você queira saber mais sobre a norma européia, visite o site Crash Network:
http://www.crash-network.com/Regulations/ECE_Regulations/ece_regulations.html#Side

Abaixo alguns filmes disponíveis no YouTube:

Um abraço!
O Especialista
carroceria.2008@gmail.com
Alguma sugestão ou crítica? Mande um Email para O Especialista. Está gostando das postagens? Então divulgue o "Carroceiros" de Plantão para os seus amigos!

1 Comentário:

Niva disse...

Eu também entrei naquele Blog que comentava do acidente do Onibus e o carro.
De fato se você começa á ler os comentários, fica meio embalado para descer a lenha no fabricante também.
Eu não sabia que a nossa lei de trânsito não exige proteção lateral...que vergonha!
Depois a gente acha que está seguro...
Bela mate´ria.
Obrigado

Postar um comentário

Divida suas opiniões e duvidas conosco.

 

©2009 CARROCEIROS DE PLANTÃO | Template Blue by TNB